Eflúvio Telógeno

efluvio

O eflúvio telógeno é uma forma de alopecia não cicatricial caracterizada por queda de cabelo difusa, muitas vezes com início agudo. O eflúvio telógeno é um processo reativo causado por um estresse metabólico ou hormonal ou por medicamentos. Geralmente, a recuperação é espontânea e ocorre dentro de 6 meses, a menos que um fundo de alopecia padrão esteja presente. Pessoas com eflúvio telógeno nunca perdem completamente todo o cabelo do couro cabeludo, mas o cabelo pode ser visivelmente fino em casos graves. É muitas vezes limitada ao couro cabeludo, mas em casos mais graves pode afetar outras áreas, como as sobrancelhas ou região pubiana.
Existem três maneiras básicas que a TE pode desenvolver.

1. Insulto ambiental que resulta num estado de repouso dos folículos pilosos e consequente aumento na queda de cabelo e uma perda difusa deste no couro cabeludo. Pode desenvolver-se rapidamente, sendo notada um ou dois meses depois do insulto. Geralmente dura menos de seis meses e o indivíduo afetado tem uma densidade normal de cabelo novamente dentro de um ano.

2. A segunda forma se desenvolve mais lentamente e persiste por mais tempo. Os folículos podem entrar em um estado de repouso como normalmente seriam, mas permanecer em seu estado telógeno por um período prolongado de tempo. Isso resulta em um acúmulo gradual de folículos telógenos e progressivamente menos folículos anágenos. Nesta forma de eflúvio telógeno, pode não haver muito derramamento de cabelo perceptível, mas haverá uma diminuição lenta da quantidade de cabelo do couro cabeludo. É mais provável de ocorrer em resposta a um fator de gatilho persistente.

3. No terceiro, os folículos pilosos não permanecem em estado de repouso, mas passam por ciclos de crescimento truncados. Quando isso acontece, o indivíduo experimenta uma quantidade de cabelo escassa no couro cabeludo e uma queda persistente de fibras capilares curtas e finas.
Causas do eflúvio telógeno: estresse e dieta

Mudança súbita dos níveis hormonais no pós-parto, vacinações, cirurgias, traumas físicos, medicamentos (ex: antidepressivos), estresse crônico, dieta deficiente (falta de zinco, vitaminas B6 e B12). Pode ser sintoma de outras condições, como por exemplo pacientes com distúrbios de tiroide e neoplasias malignas.