Penfigóide gestacional (Herpes Gestacional)

penfigoide gestacional

Dermatose bolhosa auto-imune, rara, que ocorre na gestação, particularmente no segundo e terceiro trimestres e no início do puerpério.
O dano tecidual é causado por depósito de imunocomplexos na zona da membrana basal, com posterior ativação do complemento e migração intensa de eosinófilos. Tem sido sugerido que a doença seria desencadeada por um antígeno placentário que provoca reação cruzada com antígenos cutâneos. Também há relação com mola hidatiforme, uso de anticoncepcionais, menstruação, além de outros fatores, levanta a forte possibilidade de influências hormonais no quadro.

Inicialmente há pápulas e placas urticariformes acompanhadas de prurido intenso. As lesões urticariformes podem ser anulares ou policíclicas, acompanhadas de vesículas e bolhas. Em 81% dos casos as lesões iniciais são peri umbilicais, seguindo-se o acometimento de tronco, membros, palmas e plantas. Face e mucosa oral são geralmente poupadas. As bolhas e vesículas rompem-se com erosão e formação de crostas. Geralmente, as lesões resolvem-se em até seis semanas após o parto, mas há relatos de pacientes que apresentam novas lesões até 10 anos após a gestação. No puerpério, é comum a recrudescência do penfigoide gestacional. Após a aparente resolução do quadro podem ocorrer exacerbações na menstruação ou com o uso de pílulas anticoncepcionais.

Anteriormente era conhecida por herpes gestacional, mas este nome foi abandonado, pois não há associação com a infecção pelo vírus do herpes.

Referências

  • ALVES, Gilvan Ferreira; NOGUEIRA, Lucas Souza Carmo; VARELLA, Tatiana Cristina Nogueira. Dermatologia e gestação. An. Bras. Dermatol., Rio de Janeiro , v. 80, n. 2, p. 179-186, Apr. 2005 .